receba dicas de fotografia
gratuitamente
no seu email! Cadastre-se:


O que é HDR? Por que usar essa técnica?

Esse post faz parte da série “Tudo sobre HDR“, veja o primeiro para entender a proposta.

Para aproveitar este tutorial ao máximo é preciso entender pelo menos o básico da fotografia. Se não for o seu caso, não se desespere: é só ler a Apostila aprenda a fotografar em 7 lições :-)

Na teoria

HDR significa High Dynamic Range, ou seja, Alto Alcance Dinâmico. Isso também não diz nada né? Pois bem, vou tentar explicar de uma forma não tão chata:

O alcance dinâmico é, basicamente, a quantidade de luz de diferentes intensidades que consegue ser gravada na nossa câmera.

O olho humano tem um alcance dinâmico incrível: quando estamos olhando uma paisagem conseguimos ver os detalhes do céu, das nuvens, dos prédios, do mar, da grama… enfim: todos os detalhes. Já nossa câmera não!

Como dá pra ver nas duas imagens acima se quero registrar os detalhes do céu ao pôr do sol preciso “sacrificar” os detalhes do restante da cena, e vice-e-versa.

alcance dinâmico depende do formato de gravação do arquivo (os arquivos RAW tem vantagem aí) e também depende do próprio sensor da sua câmera. Mas mesmo fotografando em RAW ou com uma câmera fantástica tem momentos em que somente usando a técnica de HDR é possível captar cenas com intensidades de luz muito diferentes.

É usando essa teoria que criamos as tais das fotografias HDR: juntamos fotos com um alcance dinâmico pequeno, usando diversas exposições, para criar imagens com um alcance dinâmico gigantesco e mais parecido com o que vemos com nossos olhos.

Assim chegamos a um resultado de uma imagem com muita, mas muita, informação de luminosidade. E isso nos dá controle. E isso nos faz poder criar fotos maravilhosas!

Na prática

Embora existam todos esses detalhes técnicos podemos simplificar a explicação:

O objetivo da HDR é conseguir captar o máximo de detalhes nas luzes e nas sombras.

Situações onde se usa HDR

Em praticamente toda cena que fotografamos existem sombras e luzes. Só que nem sempre estamos perdendo detalhes, por isso nem sempre é interessante fazer HDR. Exemplos:

Situação quando NÃO é necessário fazer HDR:

Quando temos uma cena com pouca variação de sombra e luz e usar uma exposição normal (no “zero”) trará um bom resultado. Checando o histograma vemos que não perdemos detalhes nem nas sombras nem nas luzes.

Não sabe como “analisar” um histograma? Aprenda aqui.

Situação quando é interessante fazer HDR:

Quando temos cenas de alta variação de luminosidade. Por exemplo: quando estamos fotografando com um céu bem aberto e claro. Nessas horas temos que decidir se nosso assunto será o céu (o que fará com que todo o resto da cena fique subexposta pois teremos que fotografar em -1 ou -2) ou se será o resto da cena (o que fará com que o céu fique inevitavelmente claro demais pois teremos que fotografar em +1 ou +2).

Neste caso iremos aumentar o alcance dinâmico da foto tirando várias fotos que capturem separadamente todos os detalhes.

E por que usar essa técnica?

Sabe porque esse tipo de foto é legal? Pois uma boa HDR faz a cena parecer real: com ela conseguimos simular o alcance dinâmico dos nossos olhos. :-)

Nos próximos posts você vai aprender os cuidados a tomar e como fazer, passo a passo, uma foto em HDR.

Série: Tudo Sobre HDR


Gostou deste post ou ele foi útil para você? Então compartilhe ou faça uma doação de qualquer valor para o blog :-)

Não concorda? Envie seu post contando o seu ponto de vista para guestpost@dicasdefotografia.com.br. Se ele estiver de acordo com a linha editorial do blog poderemos publicá-lo.

Por que este blog não possui mais comentários?
Não tenho uma equipe para responder todos os comentários e já existem muitos meios de interação na internet: fica difícil conseguir acompanhar todos e fico triste de não poder responder todo mundo. Por isso, procuro centralizar a interação em uma só plataforma e buscar algo mais colaborativo. Hoje, esta plataforma é a Página do DDF no Facebook. Se quiser, também pode enviar um bom e velho email.